Transferência Mundial de Personagens: polêmica e abuso

0
450

É com enorme alegria que volto a escrever na coluna Assim Falou Kankuro. Por ocasião dos incontáveis afazeres acadêmicos, meu tempo para me dedicar à escrita ficou bastante escasso, impossibilitando a atualização regular deste que é um espaço dedicado à produção de pensamento crítico sobre os mais variados temas relacionados ao Tibia. Nesse sentido, peço a toda comunidade que me desculpe pela minha ausência e peço também a você, leitor, que se ajeite na cadeira para refletir junto comigo sobre um assunto que está longe de ser simples.

Este artigo tem como objetivo discutir o serviço de transferência de personagens entre os servidores do Tibia. O chamado serviço de transferência mundial de personagens foi ativado pela CipSoft em novembro de 2009. Isso possibilitou a muitos tibianos a vantagem de poder transitar entre os diversos servidores disponíveis, por qualquer razão, desde que cumprissem alguns critérios específicos. Por exemplo, um personagem não poderia mudar de servidor caso possuísse uma casa, guild ou estivesse casado. Também não seria permitido transferir um personagem para um servidor com configurações de PvP mais irrestritas que a do servidor de origem. Além disso, salvo nos casos de transferência expressa, personagens transferidos só estariam aptos a mudar novamente de servidor no prazo de 180 dias.

Se o leitor não tiver identificado um grande problema que pode se desdobrar a partir do serviço de transferência, pretendo trazê-lo à luz sem muitos rodeios. Todos sabem que me posiciono favorável à transferência mundial de personagens, um serviço essencial oferecido à comunidade. O cerne da questão, a meu ver, está numa outra ponta, quero dizer, no serviço expresso. A modalidade expressa do serviço de transferência custa o dobro do preço do serviço convencional e nos oferece a possibilidade mover personagens mesmo que ainda não tenha se passado o período mínimo de 6 meses. Com isso, caso um jogador se arrependa de uma eventual transferência, e tenha capital disponível, pode investir 1.500 Tibia Coins para fazer uma nova mudança.

Minha hipótese é a de que o serviço expresso de transferência foi oferecido, fundamentalmente, para ser usado como derradeira alternativa para amenização de problemas ou superação de arrependimentos. Mas não é isso que vem ocorrendo. Lamentavelmente, uma verdadeira plutocracia tibiana que se formou ao longo do tempo, sob a égide da utilização de mecanismos ilegais para jogar, tem se aproveitado do serviço para saquear livremente os servidores, caírem fora e, em seguida, abastecerem o mercado negro de gold e itens. Quem acompanha a atuação destes indivíduos nas redes sociais sabe do que estou falando.

Um dos casos mais emblemáticos é, sem dúvidas, o do Ferumbras’ hat. A quantidade de Ferumbras’ hat anunciados em sites e nas redes sociais por pequenos grupos de jogadores que detêm vários exemplares deste que é um dos itens mais desejados e mais difíceis de se obter no Tibia é impressionante. Estes jogadores se utilizam dos dados divulgados por sites como o TibiaBosses.com para prever o aparecimento do lendário Ferumbras nos servidores do Tibia. Quando a data prevista se aproxima, eles adquirem o serviço de transferência expressa e iniciam uma vigília no servidor até que o boss finalmente apareça. Tão logo Ferumbras inicia sua invasão, eles rapidamente conseguem obter o Ferumbras’ hat através do sistema de recompensas, por terem à disposição personagens extremamente poderosos. Em seguida, deixam o servidor, anunciam o item no mercado negro por valores absurdos em moeda corrente e vão em busca de outro Ferumbras’ hat, em outro servidor.

Acredito que a CipSoft precisa reformular as regras do serviço de transferência expressa de personagens. Do jeito que está atualmente, o serviço tem beneficiado sobremaneira o mercado negro de gold e itens e impedido que jogadores em diversos obtenham itens raros. O caso do Ferumbras’ hat é somente um entre tantos exemplos que poderiam ser elucidados. Minha sugestão é que haja um limite para transferências expressas. Isto é, um personagem estaria apto a fazer até no máximo “x” transferências expressas no período de “x” meses. Excedido o limite de transferências expressas – dentro do período que começaria a contar a partir da primeira mudança –, o personagem ficaria impedido de mudar de servidor durante o mesmo período do serviço convencional, ou seja, seis meses.

Infelizmente, o que tem ocorrido me leva a acreditar que permitir que jogadores façam transferências expressas indefinidamente não é um bom caminho para o mínimo de equilíbrio desejável. Os servidores não podem ser saqueados dessa forma por jogadores que descumprem as regras estabelecidas pela própria CipSoft, anunciando e vendendo itens por dinheiro real. Não podemos aceitar isso!