Era uma vez um desenvolvedor que fazia “vista grossa”

0
492

Em outubro deste ano, uma grande revista brasileira afirmou em uma de suas publicações que “os desenvolvedores do Tibia proíbem o comércio de itens do game”, mas “estão fartos de saber o que está ocorrendo – e fazem vista grossa”.

O autor da declaração supracitada tinha o intuito de tentar convencer o leitor de que a CipSoft simplesmente tapa os olhos diante das inúmeras fraudes cometidas explicitamente em diversos grupos no Facebook e eventualmente em plataformas como a Twitch e o YouTube. Essas fraudes incluem a comercialização de personagens, de itens e câmbio de Tibia Coins, cuja prática é proibida pelas regras do Tibia.

É muito frequente que a comunidade não reconheça os esforços da CipSoft no combate à fraudes e ao descumprimento de regras. Essa falta de reconhecimento serve de munição para que sujeitos sem nenhum compromisso com o aperfeiçoamento do game dissemine asneiras pela rede mundial de computadores. Foi assim em diversas ocasiões.

Ouvi muito ao longo desses anos que a CipSoft não dava a mínima para os jogadores que utilizavam bot. Mas em 2009, uma entrevista polêmica com jogador Lord’Paulistinha culminou com o banimento do jogador mais forte do Tibia, no ano seguinte, após ter atingido a marca do nível 467. Lord’Paulistinha admitiu abertamente a violação de diversas regras do jogo, incluindo o uso de software ilegal para jogar. A CipSoft não perdoou e o personagem icônico foi deletado.

Ainda sobre as alegações de que a CipSoft fazia vista grossa quanto à utilização de ferramentas ilegais, após a implementação do BattlEye (mecanismo capaz de identificar ferramentas ilegais por meio de varreduras), no início de 2017, o fansite MrThomsen.de registou uma série de banimentos. Um dos banimentos mais impressionantes foi o do jogador Fraancisz. O Royal Paladin de nível 773 foi enviado à Deletera junto com mais de 2.000 contas para lhe fazer companhia em seu novo servidor.

Decisões polêmicas, que mostram que a CipSoft está atenta e costumam pegar a comunidade de surpresa, já fizeram alguns quererem pular de sacadas enquanto outros ameaçaram até mesmo mandar um e-mail ou procurar um advogado.

O caso mais recente é o do jogador Pablinn, que foi banido essa semana enquanto fazia uma transmissão ao vivo pela Twitch. Pablinn era o Royal Paladin mais poderoso do Tibia; estava no nível 1.121 e ocupava a quinta posição no ranking global de experiência. Rumores indicaram que o banimento foi motivado por uma série de denúncias contra o jogador e por uma suposta propaganda ilegal no título de sua live stream. Logo após ter seu personagem deletado, Pablinn afirmou que enviaria um e-mail à CipSoft e, ainda no chat da Twitch, disse aos seus seguidores que procuraria um advogado. Mesmo que o faça, será difícil reverter o banimento.

Os termos de serviço dispostos no site oficial do Tibia sinalizam que a CipSoft fornece o software, o jogo e todos os outros serviços, isentando-se de todas as garantias ou condições de qualquer tipo, expressas, implícitas ou estatutárias, incluindo, sem limitação, as garantias implícitas de título, não violação, comercialização e adequação a uma finalidade específica.

A redação dos termos de serviço, que todos precisamos aceitar quando criamos uma conta, ainda diz que a CipSoft não se responsabiliza por quaisquer lucros perdidos ou danos especiais, incidentais ou consequenciais decorrentes ou relacionados ao jogo, incluindo, mas não se limitando a, perda de dados, itens, contas ou personagens, seja por ocasião de erros, tempo de inatividade do sistema ou mesmo por ajustes da jogabilidade.

Falando especificamente do Brasil, de um ponto de vista antropológico, não há como negar a dificuldade absurda que os brasileiros possuem para cumprir regras, desde as mais simples, passando pelas regras morais, éticas, de educação, de respeito ao próximo, até chegar àquelas que são regidas por estatutos, leis, regulamentos, enfim, todo tipo de regra. Além disso, de maneira geral, não estamos acostumados com punições muito severas. Somos muito diferentes dos europeus, em especial dos alemães, que apesar de muito amigáveis, costumam encarar as coisas de maneira mais rígida, principalmente quando se trata de algo muito sério.

Caso fique comprovado que Pablinn violou alguma regra, seu banimento certamente servirá de alerta para muitos dos jogadores, principalmente brasileiros, que acreditam ser imunes à qualquer espécie de punição por ilícitos que estejam praticando ou venham a praticar. É aconselhável que os fraudadores de plantão fiquem espertos, porque, mais cedo ou mais tarde, a punição chegará – e possivelmente de maneira avassaladora!