[Artigo Oficial] Snoopy, uma Agente Secreta?

0
50

Na noite passada, Snoopy ouviu seu vizinho conversando com alguém que estava encoberto pela escuridão. Ela não ouviu muito, mas foi capaz de escutar as palavras CGB e Carlin. Isso lhe pareceu suspeito. Ela já tinha ouvido falar da Carlin’s Girls Brigade, mas não sabia muitos detalhes. Tudo parecia bastante secreto. Agora, desconfiando que seu vizinho estivesse de alguma forma envolvido, além de ser muito curiosa, decidiu que tentaria descobrir mais…

Ela acordou cedo no dia seguinte e foi para o porto. O escritório do xerife de Carlin era o seu destino. Ela achava que seria um bom começo para sua pesquisa. Ficou surpresa quando cruzou com uma mulher que se apresentou como Emma, chefe da CGB. Emma falou muito abertamente sobre a Organização. Snoopy descobriu que são exigidas das agentes da CGB lealdade absoluta e disposição até para sacrificar a própria vida em defesa de Carlin.

Snoopy sentiu cheiro de aventura e pediu para se juntar antes mesmo que pudesse pensar. Emma foi cética quanto ao seu entusiasmo. Ainda assim, ela lhe conferiu uma missão: “Nossas relações com Thais estão, no mínimo, tensas. Portanto, não é surpresa que Thais esteja financiando a academia de Edron, embora se recuse a compartilhar qualquer conhecimento com nossos druídas. Não aceitaremos isso tão facilmente. Com o auxílio da adivinhação, descobrimos que o conhecimento que nossos druidas estão procurando pode ser encontrado em um livro. Será sua tarefa consiste em entrar na academia e furtar este livro para nós.”

Primeira missão, primeiro conflito. Snoopy se perguntou se aquilo era mera coincidência ou talvez um teste de lealdade. Roubar a academia? Ela não estava certa de que poderia fazer isso sem que a sua consciência fosse afetada. Ela amava aquele lugar. Por outro lado, os druídas de Carlin estavam sendo injustiçados. Ela não ficou bem com isso. Todos os druídas precisam estudar o máximo possível. Esse pensamento parecia uma boa justificativa e ela decidiu dar prosseguimento à missão.

Roubar o livro não seria muito difícil, imaginou. Ela era conhecida na academia e poderia entrar sem levantar suspeitas. Ela também já intuía onde o livro poderia estar. Sabia de um livro que estava trancado. Ela tinha perguntado à Spectulus sobre isso, contudo, ele havia lhe dado explicações falsas. Naquela época, ela não se importou o suficiente e não indagou mais nada. Mas agora ela sabia…

Snoopy entrou na biblioteca sem muitos problemas. Para a sua surpresa, a porta que protegia o livro se abriu com facilidade, como se fosse predestinação. Ela rapidamente guardou o livro no bolso e correu em direção à Carlin para completar a missão. Muito fácil!

Emma pareceu satisfeita e lhe deu uma segunda missão. Ela disse a Snoopy que um druída que passou pelo Green Claw Swamp notou que lá havia uma presença maligna. Ao procurar pela fonte do mal, ele encontrou uma ruína antiga, onde acabou sendo atacado por bonelords e seus lacaios mortos-vivos. Ele escapou, mas a evidência que havia encontrado lhe permitiu concluir que os bonelords das ruínas estavam criando as árvores da morte. Árvores cheias de energia negativa que corrompem o ambiente. Após o retorno do druída, a adivinhação confirmou: com a ajuda dessas árvores, os bonelords estavam criando um exército de mortos-vivos.

Snoopy teria que arrancar o coração da árvore mestra. Em teoria, isso faria com que todas as árvores da morte definhassem. Emma queria que o coração fosse entregue como prova do êxito da missão.

Snoopy engoliu seco. Ela conhecia o pântano, as ruínas e as criaturas malignas do subsolo. Ela já tinha ido até lá antes com um velho amigo que havia inclusive lhe mostrado como obter a chave para entrar. No entanto, não era aconselhável ir sozinha. Ela estava com medo, mas, como tinha se tornado muito mais forte desde então, aceitou bravamente o desafio.

Ela começou a procurar pela árvore mestra no pântano. Após lutar durante várias horas, viu-se em uma estranha sala que não havia notado em sua visita anterior. A sala estava repleta de criaturas. Bonelords, scorpions e até mesmo um black knight atacaram repentinamente. De forma inacreditável, ela lançou mão de suas magias com grande maestria.

Ela notou duas portas localizadas no fundo da sala. Uma estava trancada, mas ela conseguiu abrir a outra. Atrás dessa porta havia uma árvore morta. Não poderia ser outra a árvore mestra, ela pensou. Buscou então por baixo da casca e arrancou seu coração apodrecido. Rapidamente, ela correu de volta à Carlin para falar com Emma.

A líder da CGB sorriu quando Snoopy retornou. Sem se estender muito, Emma entregou a Snoopy uma caixa misteriosa repleta de insetos de ferrugem. Eles deveriam ser soltos na forja da Ironhouse, em Venore, para que consumissem todo o metal, incluindo armas que pudessem ameaçar Carlin. Sem hesitação, Snoopy partiu e fez como lhe foi ordenado. Ela se sentia orgulhosa e confiante como uma agente da CGB e até mesmo um tanto poderosa. Mal podia esperar por sua próxima tarefa.

Ela não precisou esperar muito. Logo após o seu retorno, foi informada sobre os planos de Venore de construir um navio rápido e resistente que seria utilizado para aprimorar o domínio da cidade sobre o comércio marítimo. Isso obviamente não era do interesse de Carlin. Snoopy não se importava com o comércio, apenas com o seu novo emprego. Ela aceitou o desafio de saquear os planos. Imaginava-se que eles estivessem escondidos no estaleiro ou então no porto de Venore. Com facilidade, Snoopy os entregou à CGB. Missão cumprida!

Sua próxima tarefa a levou para o sudoeste de Venore, nas ruínas de uma antiga catedral. Tratava-se de um projeto que a população de Thais havia começado e que não chegou a ser concluído. Atividades suspeitas foram relatadas no local e Snoopy foi enviada para verificar. No entanto, a missão acabou se transformando em uma verdadeira loucura. Embora estivesse aparentemente vazia, a catedral estava abarrotada de wild warriors, smugglers e bandits. Não bastasse isso, ela também precisou se defender de assassins, demon skeletons e dark monks. Até mummies habitavam aquele lugar, que também estava povoado por witches, hunters, dark apprentices e dark magicians. Ela avistou até um stone golem.

Snoopy efrentou problemas para se manter viva e não podia deixar de se questionar se aquilo realmente valia a pena. Quando sentia que a morte se aproximava, lamentava estar à serviço de Carlin. Ela se lembrava bem de que havia concordado em arriscar a sua própria vida, o que fez com que se sentisse estúpida naquele momento. É evidente que ela não estava disposta a fazer isso. Se não fosse pela ajuda de alguns estranhos, não teria saído viva da catedral.

É difícil de acreditar que ela havia terminado a missão mesmo depois de todo aquele caos e dos riscos a que foi exposta. Isso foi muito mais sorte que habilidade. Snoopy encontrou alguns documentos suspeitos na catedral e os entregou para Emma.

Snoopy não se sentia mais orgulhosa e confiante. Quando foi enviada para sua próxima missão, ainda estava questionando a si mesma sobre como dizer à líder da CGB a respeito de sua vontade de desistir. Mas ela não estava certa de que agentes podiam abandonar os seus postos. Além disso, não queria parecer uma covarde e nem tampouco desapontar Carlin. Então, ela simplesmente obedeceu sua próxima ordem: extrair um livro contendo antigas histórias de famílias e árvores genealógicas de um túmulo nas criptas da Isle of the Kings.

Depois de uma busca implacável, Snoopy finalmente conseguiu encontrar o livro. Quando ela o entregou para Emma, viu-se com uma nova missão antes mesmo que tivesse tempo para se opor. Além do mais, ela também não teve coragem de recusar. Ela estava mais uma vez evitando o confronto.

Dessa vez, Snoopy foi encarregada de matar um dwarf louco que ameaçou destruir Carlin. Ele supostamente possuía um laboratório em Kazordoon, nas proximidades do salão do technomancer. Snoopy teria que entregar a barba dele à Emma.

Essa missão fez Snoopy se lembrar da vez em que teve que roubar a barba do imperador dwarf, quando ainda possuía o desejo de se tornar uma jester. Seu nível de adrenalina provavelmente estava tão alto agora quanto naquela época. Aquela missão tinha sido extremamente empolgante! Teve até viagem no tempo. Trabalhar para a CGB, por outro lado, era algo difícil e muito sério. Ela estava arrependida da posição em que havia se colocado. Ainda assim, como era de confiança, partiu para cumprir sua tarefa.

Dessa vez, Snoopy cuidou de não entrar despreparada em nenhum combate. Ela tinha aprendido a lição na Dark Cathedral. Antes de partir para Kazordoon, comprou novos suprimentos e muitas sudden death runes para se proteger caso entrasse em pânico. Não deu outra. Após lutar decentemente por algum tempo, ficou impaciente e de saco cheio e começou a atirar SD em tudo o que se movia. Não se tratava de pânico, mas de uma fúria imensa. Ela não queria estar ali e acabou matando o Mad Technomancer enquanto ainda lutava com seus dwarf henchmans. Com toda essa raiva dentro si, ela quase se esqueceu de coletar a barba do dwarf. Felizmente, ela se lembrou a tempo e antes de ter se afastado muito.

Quando retornou para Carlin, suas emoções estavam à flor da pele e ela se sentia pronta para pedir demissão à Emma. Entretanto, sorrindo, Emma lhe entregou um lindo pacote com o selo da CGB, deixando Snoopy sem ter o que dizer. Ela o desembrulhou, com um pouco de receio de que aquilo pudesse levar a novas ordens. Seu queixo caiu quando ela segurou um Squeezing Gear of Girlpower em suas mãos. Bacana! Sua primeira recompensa como uma agente. Quando Emma a chamou de agente de elite da CGB, ela sentiu um pouco de orgulho novamente, mas precisava de algumas semanas longe de Emma e de Carlin. Ela não queria nenhuma nova missão. Em seu entendimento, ela já havia arriscado sua vida pela Rainha o suficiente. Era hora de relaxar.